sexta-feira, 26 de junho de 2009

Fazer amor... fazer amor?

Muitas pessoas costumam chamar o ato sexual de “fazer amor”. Expressão comumente usada para definir a relação sexual entre duas pessoas.
Mesmo que o ato seja algo bom e agradável, pois foi criado por Deus para a reprodução e prazer dos humanos; chamá-lo de fazer amor é uma definição absolutamente equivocada. Amor a gente não faz; amor a gente sente, tem, recebe, dá... Amor é pra amar, pra sentir, pra viver... Não podemos fazer amor, ele já existe e é um Dom de Deus, um sentimento precioso que se traduz em palavras e gestos e não pode ser resumido a um simples ato sexual. E por falar nisso, é bem verdade que o amor é para o ato sexual, mas nem sempre ele está presente nesse momento. Muitas relações, definidas como ‘fazer amor’, são apenas fruto de atração física, muitas vezes produzida por estímulos e carícias; suprimento de carência biológica, busca absoluta de prazer ou paixão fugaz, mas completamente descomprometida com qualquer vínculo posterior. Por isso o amor é outra coisa; pode ter tudo a ver com o ato, mas pode estar completamente ausente. E é importante dizer que é possível amar sem sexo, mas sexo sem amor é um erro que precisa ser evitado a qualquer custo. Quem ama espera, respeita, se guarda, até que a união do matrimônio os tornem livres para relações com compromisso e responsabilidade sob a benção de Deus.
É importante ressaltar que Deus criou o sexo para o casamento e o casamento para duas pessoas de sexos opostos. Qualquer prática fora desse padrão estará contra a vontade de Deus. No entanto é importante lembrar que Deus está sempre disposto a perdoar aqueles que arrependidos buscam nele o perdão e também se dispõem a mudar suas atitudes e práticas.


I Tessalonicenses 4: 3 - 8
“A vontade de Deus é que vocês sejam santificados; abstenham-se da imoralidade sexual. Cada um saiba controlar o seu próprio corpo de maneira santa e honrosa, não dominado pela paixão de desejos desenfreados, como os pagãos que desconhecem a Deus. Neste assunto, ninguém prejudique seu irmão nem dele se aproveite. O senhor castigará todas essas práticas, como já lhes dissemos e asseguramos. Por que Deus não nos chamou para a impureza mas para a santidade. Portanto aquele que rejeita essas coisas não está rejeitando o homem, mas a Deus que lhes dá o seu espírito. (NVI)
Fortaleza-CE 04/03/09 wanderley tf

6 comentários:

JULIANA disse...

Wan, adorei seu texto, tem toda razão em relação ao amor... ele está muito além do sexo, e não se faz, se sente!! Gostei muito...Beijão

tamires disse...

esse texto é muito bom!!eu gostei muito oq custa aspessoas se guardarem ate casar e tiver certeza do amor ke semte!!esperano o casamento a pessoa ñ presisa se casar a força por causa de uma gravides indesejada por puro praser!!se guarada ñ é nenhum sacrificil!!

Railene disse...

Primo,
Nem preciso te falar que isso é a pura verdade, pois vc ja a declarou com muita propriedade nesse texto, por isso fico alegre de existir uma pessoa como vc; inteligente, com um dom maravihoso, passa aquilo que precisamos saber da parte de Deus e por fim alertar essa sociedade que vive hipocritamente pensando que está amando ou sendo amado, quando na verdade vivem em vazios profundos.
Continue, vc é uma porta-voz do Senhor!
Beijos
Railene

Anne - Carambeí - PR disse...

Oi Wanderley, gostei do texto é uma grande verdade, pena q esteja tão desatualizado nos dias de hoje. Vamos orar ao Senhor para q nossos jovens e também adultos sigam as lições do Mestre, evitando assim o pecado e sem falar de doenças e situações desagradáveis.Abração.

Juliana X. disse...

É isso mesmo! Não podemos achar que tudo é bobeira e que não é necessário ter "tanto zelo", como o mundo quer que a gente ache. Se é mandamento de Deus, a gente deve fazer e pronto, pq O amamos.

Maria P. Lago disse...

Com ceteza ... nunca gostei de referir ao ato sexual como fazer amor...sempre me intrigou muito, oamor nao se faz se sente realmete...vou continuar orando p Deus te dar discernimento de espirito p iluminar vidas...bjao